Zuleica Bruno Fortes

Titulação: Professora Titular (Sênior)
Laboratório: Hipertensão e Diabetes
Telefone: 55 (11) 3091-7317
E-mail: [email protected]
Lattes:

Linha de Pesquisa

Resistência à insulina: diabetes, obesidade e alterações vasculares. Reversão farmacológica das alterações e seu mecanismo.

Descrição

O papel da resistência à insulina com e sem obesidade nas alterações vasculares e o efeito de fármacos nessas alterações são investigados. Essas alterações podem estar envolvidas nas complicações tardias do diabetes e da obesidade.Alterações funcionais bem como estruturais ocorrem na microcirculação de animais em que se induz tanto diabetes mellitus quanto a obesidade experimentalmente ou em pacientes diabéticos e obesos. O diabetes experimental é induzido seja por aloxana em ratos adultos (modelo de diabetes tipo 1), em ratos neonatos utilzando estreptozotocina (modelo de diabetes tipo 2) e em modelos em que há resistência à insulina e obesidade (modelo glutamato monossódico) e na desnutrição intrauterina que pode levar ao aparecimento de diabetes tipo 2 e obesidade na idade adulta. Os diferentes tratamentos farmacológicos das alterações provocadas pelo quadro de resistência à insulina são analisados como o efeito de antidiabéticos, da insulina bem como dos hormônios sexuais femininos buscando entender os mecanismos das alterações da vasculares, que podem contribuir para o aparecimento das complicações tardias. Para entender o comprometimento dessa resposta e sua reversão por tais agentes tem-se estudado a resposta de vasos isolados (aorta) e de microvasos isolados ou in vivo a agentes vasoativos, investigando o papel do endotélio nessas respostas. Estudando as modificações microcirculatórias e da célula endotelial nessas complicações pode-se propor medidas terapêuticas que venham a prevenir ou retardar o seu aparecimento propiciando melhor qualidade de vida aos pacientes.