• https://www.farmacologiaicbusp.com.br/wp-content/uploads/2013/06/fundo-branco-1-816x320.png

    Bactérias Marinhas mostram-se promissoras contra o Câncer

  • https://www.farmacologiaicbusp.com.br/wp-content/uploads/2013/06/916038_59674899-720x320.jpg

    Fundamentos para o uso Racional de Medicamentos

    Curso de Extensão Universitária - Difusão
    Clique sobre o slide para mais informações
  • https://www.farmacologiaicbusp.com.br/wp-content/uploads/2013/06/banner_depto_farmacologia.jpg

    Psicofarmacologia Clínica

    Curso de Extensão Universitária - Difusão
    Clique sobre o slide para mais informações
  • https://www.farmacologiaicbusp.com.br/wp-content/uploads/2013/06/slider4-816x320.jpg

    Graduação

    Nossa missão consiste em gerar e divulgar conhecimentos na área de Farmacologia, através da formação básica e do desenvolvimento do espírito crítico dos estudantes dos cursos das Ciências da Saúde, assegurando assim a formação de profissionais, pesquisadores e docentes na nossa área de responsabilidade.
  • https://www.farmacologiaicbusp.com.br/wp-content/uploads/2013/06/fase-líquido-cristalina-to-tipo-hexagonal1-816x320.jpg

    Histórico

    A Disciplina de Farmacologia do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo foi constituída em 1970 quando da instalação da Reforma Universitária, reunindo docentes das Faculdades de Odontologia, Farmácia e Bioquímica e parte dos docentes do Departamento de Farmacologia da Faculdade de Medicina e junto com a Disciplina de Fisiologia constituiu o Departamento de Fisiologia e Farmacologia.
  • https://www.farmacologiaicbusp.com.br/wp-content/uploads/2013/06/slider5-816x320.jpg

    O Departamento

    A Disciplina de Farmacologia do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo foi constituída em 1970 quando da instalação da Reforma Universitária, constituiu o Departamento de Fisiologia e Farmacologia.
  • https://www.farmacologiaicbusp.com.br/wp-content/uploads/2013/06/slide_edital_v2_depto-816x320.jpg
https://www.farmacologiaicbusp.com.br/wp-content/themes/flare/images/shadow-2.png

  • Molécula de bactéria marinha representa possível avanço no tratamento do melanoma | Instituto de Ciências Biomédicas | USP

    Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

    Em parceria com a Universidade da Califórnia em San Diego, pesquisadoras do ICB-USP descobriram que a molécula seriniquinona, capaz de matar células tumorais de melanoma, pode também ser eficiente para tratamento de células quimio-resistentes.

    Estudos realizados por pesquisadoras do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo (ICB-USP) constataram que a molécula seriniquinona, encontrada em 2014, pode ser eficiente para o tratamento de câncer de pele do tipo melanoma até mesmo em casos em que as células tumorais desenvolvem resistência. Segundo a professora Letícia Lotufo do Departamento de Farmacologia do ICB-USP, que ajudou a descobrir os efeitos da molécula na época, as pesquisas atuais indicam que a seriniquinona pode se tornar uma terapia importante para pacientes que desenvolvam resistência aos tratamentos convencionais.

    O primeiro estudo sobre a seriniquinona foi publicado em 2014 na revista científica Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS) dos Estados Unidos. A descoberta da molécula foi liderada pelo professor William Fenical, da Universidade da Califórnia em San Diego, que trabalha até hoje em colaboração com o laboratório de Letícia Lotufo para buscar uma terapia eficiente a partir da molécula. “A seriniquinona é muito insolúvel, o que é um problema na hora de aplicá-la pois ela não se distribui no organismo. O desafio seguinte foi realizar transformações na molécula para melhorar as suas propriedades e assim poder testá-la em animais”, explica.

    Atualmente, a equipe de Letícia Lotufo está trabalhando com um análogo dessa molécula, que tem características físico-químicas melhoradas e é muito mais solúvel do que a original. Essa “nova” molécula foi testada em células tumorais resistentes – células de melanoma com mutações na proteína B-Raf que desenvolveram resistência ao tratamento com inibidores seletivos para essa proteína. Isso ocorre em cerca de 50% a 60% dos casos e, de acordo com a pesquisadora, faz com que o tratamento deixe de funcionar. Nesses casos a doença pode voltar de forma ainda mais severa.

    Com esses testes, as pesquisadoras descobriram que, mesmo em células tumorais resistentes, o efeito da seriniquinona não é perdido. Isso ocorre porque o seu mecanismo de ação não tem relação com a proteína B-Raf, e sim com a proteína dermicidina. “A dermidicina é responsável por promover a sobrevivência da célula tumoral, e a molécula seriniquinona inibe o seu funcionamento, provocando a morte celular”, esclarece a professora.

    Fármacos de origem natural – O laboratório de Letícia Lotufo trabalha buscando novas possibilidades de fármacos anticâncer dentro da biodiversidade brasileira, analisando principalmente substâncias de origem marinha. A atuação consiste em coletar bactérias de diversos pontos do litoral brasileiro e isolar as substâncias presentes nessas bactérias, para testar o seu efeito em células tumorais. No caso da seriniquinona, o próximo passo é continuar analisando o seu efeito em células resistentes a partir de testes em peles de biópsia humana e em animais, para que se possa pensar no desenvolvimento de uma terapia complementar àquelas já existentes.

    Aline Tavares | Acadêmica Agência de Comunicação